Jacques Perconte
Presse / textes / retour .

289
  20 mars 2020  
Mariano, Raphaël Yung, Aniki.
O tempo confinado A partir da exposição Time Machine: Cinematic Temporalities
FRAG fragment du document :: 1159 chars → 201 mots
MAG :: MAGAZINE CR :: CRITIQUE

→ Le document au format pdf


Aniki vol.7, n.º 2 (2020): 237-244 | ISSN 2183-1750 doi:10.14591/aniki.v7n2.695

[...]  Le Tempestaire (Jacques Perconte, 2020) é uma obra que presta homenagem ao filme epônimo de Jean Epstein, mas é também o seu equivalente digital. É um trabalho generativo: as imagens nunca se repetem porque são constantemente alimentadas por software que as renova constantemente. Assim, ao ser generativo, o vídeo tem uma duração infinita e mostra talvez o que seja peculiar ao digital: uma forma fora-do-tempo - um pouco como o filme de Epstein também estava fora do tempo ; mas foi assim porque voltou a um cinema puro, "despojado", no preciso momento em que o cinema entrava na Idade de Ouro de Hollywood. Em ambos os casos, em torno da lenda do Tempestário, há uma verdadeira reflexão sobre o médio utilizado. O cineasta não é também uma espécie de Tempestário? O objetivo da exposição encontra-se aqui, na relação entre estes dois artistas do seu tempo: um revela a beleza do filme, o outro mostra o potencial do digital. São também dois criadores do tempo: um manipula o tempo através da imagem, o outro manipula a imagem através do tempo que a renova constantemente e a abre ao infinito. [...]

à venir : pièces liées / périmètres articles / auteurs / médias / registres / ...
❤︎ / jacques perconte